Como foi a InterCon2017 e porque nós programadores deveríamos sair da toca

Imagem ilustrativa

Esse ano finalmente consegui ir a um evento, comecei me planejando bem antes (comprei em Junho o ingresso) já que todo o investimento sairia do meu bolso (hotel, Uber, alimentação, transporte). Bem, eu fui nesse evento com a cara e a coragem, afinal eu estaria sozinho em São Paulo num lugar onde não conhecia ninguém além da minha esposa.

A primeira impressão

Ao chegar no credenciamento do evento já fiquei admirado com a organização, tudo muito rápido, sem filas, um ambiente muito bonito, e o melhor, ganhei um Darth vader \o/.

Também curti bastante as trilhas de conteúdo, a que mais me chamou atenção foi a do Paulo Silveira da Caelum sobre Carreira Hipster – Desafios em Soft Skills:

“Programadores não são pagos para programar e sim entregar valor…”

“Saber trabalhar com incertezas”

Conhecendo pessoas

Já falei disso, mas eu tive a oportunidade de trocar ideia com alguns caras que eu admiro profissionalmente e que sigo no Twitter, faltaram muitas pessoas ou porque não consegui chegar ou porque eu não conhecia, mas comecei a seguir no Twitter.

Saindo da toca

Isso é uma das coisas que eu fiquei pensando, acho que todo programador deveria ter a oportunidade de participar de um evento assim, as vezes precisamos largar um pouco a rotina e se lançar em coisas novas, e principalmente o contato pessoal com outros profissionais que é o mais legal, ainda mais porque trabalhamos muitas horas em frente ao computador, esse network pessoal é muito válido, sem se falar que você refresca a cabeça para continuar ou iniciar novos projetos de vida.

Sentimento de quero mais

São Paulo - WTC

Enfim, aproveitei o restante do fim de semana em São Paulo para descansar, e na segunda feira voltei a minha cidade Cachoeiro de Itapemirim no Espírito Santo, só tenho a agradecer a experiência que pude ter, já vou me planejar para outros eventos, que venham mais!